sábado, 25 de abril de 2015

Resenha: A Relíquia


Olá, pessoal! Tudo certo com vocês? Então, depois de muito tempo, venho aqui com outra resenha pra vocês! Bem, A Relíquia, é um livro do autor português Eça de Queirós, e esta obra (como as outras do autor) pertence ao realismo.
O livro conta a história de Teodorico Raposo, que mais adiante, conforme cresce, será conhecido por seus amigos como Raposão.
Teodorico perde o pai e a mãe muito cedo, o que faz com que ele tenha que viver com sua tia Maria do Patrocínio, mais conhecida como Titi, uma fanática religiosa que é dona de uma fortuna considerável.

Desde menino, Teodorico foi instruido pelos outros a dizer sempre sim à tia, pois era necessário agradá-la, fazer o que mandava, principalmente por causa da sua fortuna. 

Fica muito claro na obra as características principais do realismo: a ironia, o humor ácido, a crítica à hipocrisia religiosa, o dinheiro como o centro de tudo, o homem ambicioso que não sente culpa por nada que fizer, desde que os fins justifiquem os meios.

-O Teodorico não tem ninguém senão a Titi... É necessário dizer sempre que sim à Titi. Eu repeti, encolhido: -Sim, Titi.


A tia Maria do Patrocínio cuida de seu sobrinho muito bem. Coloca-o em um bom colégio religioso, depois paga os estudos na escola de Direito, porém nunca deixa de lado o fanatismo religioso. Despreza homens que corram atrás de "rabos de saia", e controla seu sobrinho ao máximo para que não se envolva com mulher nenhuma. Contudo, é exatamente o contrário que ocorre. O nosso Raposão sempre conseguiu dar suas escapadelas do radar de Titi.

Cansado de toda aquela cobrança, mas feliz com a vida boa que levava, Teodorico percebe que só será feliz e terá paz quando a tia, finalmente, morrer, deixando para ele toda a sua fortuna. Infelizmente, em uma de suas conversas com um padre muito amigo de Titi e frequentador de sua casa, Raposo descobre que a tia está em dúvida quanto ao seu testamento: gostava do sobrinho, mas queria deixar a herança para alguém realmente virtuoso que, ao receber o dinheiro, daria-a toda em prol da religião. Como o padre disse, estava em dúvida se deixava a herança para o sobrinho, ou para Jesus.

Porque agora, eu estava bem decidido a não deixar ir para Jesus, filho de Maria, a aprazível fortuna do comendador G. Godinho. Pois quê! Não bastavam ao Senhor os seus tesouros incontáveis; as sombrias catedrais de mármore, que atulham a terra e a entristecem; as inscrições, os papéis de crédito que a piedade humana constantemente averba em seu nome; (...) Pois bem, disputaremos esses mesquinhos, fugitivos haveres, tu, ó filho do carpinteiro, mostrando à Titi a chaga que por ela recebeste, uma tarde, numa cidade bárbara da Ásia, com tanto ruído e tanto fausto, que a Titi não possa saber onde está o mérito, se em ti que morreste por nos amar demais, se em mim que quero morrer por não te saber amar bastante!


Teodorico decide que vai se empenhar para conquistar a Tia, e mostrar para ela que entregar sua fortuna a ele, é o mesmo que dá-la a Jesus. Assim, ele começa a decorar todas as rezas, todos os santos, e tudo o mais que tenha religião no meio, somente para agradar a Titi.

Certo dia, num almoço de domingo onde estavam presentes Titi, Teodorico e os padres da região, o assunto da Terra Santa foi levantado. O padre disse que todos comentavam que quem ia até Jerusalém voltava purificado, e trazia as bençãos da terra sagrada para outra pessoa merecedora que, infelizmente, não poderia mais fazer viagem tão grande.

Ouvindo o que o Padre dizia, Titi tomou sua decisão: mandaria o sobrinho para a Terra Santa, para que assim pudesse receber as benção que ele lhe traria de lá. Teodorico achou a ideia uma tremenda perda de tempo, mas ao imaginar em todas as mulheres que encontraria no caminho, resolveu que era melhor não reclamar e agradar a tia, como sempre. 

Nesta viagem à Terra Santa, muitas coisas acontecem, e o final da obra se dá por todos esses fatores, que não cabem a mim dizê-los e estragar a leitura de vocês! (Leiam, vale a pena!)

Eu não sou Jesus de Nazaré, nem outro deus criado pelos homens... Sou anterior aos deus transitórios; eles dentro em mim nascem; dentro em mim duram; dentro em mim se dissolvem; (...) Chamo-me consciência; sou neste instante tua própria consciência refletida fora de ti, no ar e na luz, e tomando ante teus olhos a forma familiar, sob a qual, tu, mal educado e pouco filosófico, estás habituado a compreender-me... Mas basta que te ergas e me fites, para que esta imagem resplandecente de todo se desvaneça.

O mais legal da trama é que, ao mesmo tempo que Titi vive pela religião, Raposo contesta tudo o que vê e ouve sobre a religião. Não por não acreditar em Deus, mas sim por não acreditar nos dogmas da Igreja. Afinal, se a tia era tão devota assim, por que não ajudava os parentes necessitados quando precisava, já que tinha tanto dinheiro? E os Padres, se eram tão religiosos assim, por que viviam perto de Titi o tempo todo, bajulando-a, querendo tirar um pouco de sua fortuna a cada dia? O poder move o mundo e os homens, usando de todas as armas que tem, principalmente a persuasão e a hipocrisia. Usar o nome de Deus para ganhar dinheiro? Isso acontece desde sempre, meus caros.

Eu nunca vou à missa... Tudo isso são petranhas... Eu não posso acreditar que o corpo de Deus esteja todos os domingos num pedaço de hóstia feita de farinha. Deus não tem corpo, nunca teve... Tudo isso são idolatrias, são carolices. 

4 comentários:

  1. Nooooooossa fiquei curiosa pra saber mais sobre esse livro ....rsrsrs sobre oque aconteceu quando ele chegou la na terra santa, muito bom , fazia faculdade de letras ....amooo leer .adoorei seu post floor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que bom que gostou! O livro é bom, se você gosta de ler vai adorá-lo!
      Sério? Eu adoro a faculdade de letras! Chegou a terminar a sua?
      Beijos!
      E mais uma vez, muito obrigada!! ♥

      Excluir
  2. Quero ler esse livro hahahha, adorei o post, se puder me seguir de volta, to te seguindo, um beijo
    http://believe-infairies.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luisa! Que bom que gostou!
      Leia sim, se você gosta de ler, será um bom livro!
      Estou seguindo o seu blog também!
      Beijos!

      Excluir